Make your own free website on Tripod.com

ENTENDENDO A BASE

 

Vamos nos deter um pouco no estudo do cálculo e utilização das bases históricas. Base = Preço Físico – Preço Futuro. Embora a equação seja muito simples, a sua resposta é a chave para um melhor planejamento da comercialização da produção agrícola e aumento da lucratividade. As bases históricas são utilizadas para ajudar a determinar a melhor época de comprar ou vender, quando usar o mercado futuro ou de opções para estabelecer uma proteção de preços, em qual mês contratual estabelecer a proteção, quando aceitar o preço de determinado contrato físico de venda antecipada e travamento de margens de lucro. Por questões práticas, no entanto, vamos nos deter mais na sua utilização para estabelecimento de um preço mínimo de venda da soja, em dólares norte-americanos, através das opções sobre contratos futuros, negociadas na Bolsa de Chicago ou nela referenciadas.

 

Entendendo a Base

 

Base é a diferença entre o preço local de uma commodity e o preço de um contrato futuro específico da mesma commodity num dado momento. Preço físico local – preço futuro = base. Vejamos este exemplo de cálculo efetuado com as cotações da soja, em dólares por saca de 60 Kg, tendo como referência o preço físico praticado em Palotina e o preço futuro negociado na Bolsa de Chicago, em 23/05/2003:

 

Preço físico local

$11.55

Futuro de Maio/04

$12.56

Base

–$1.01

 

Neste exemplo, o preço físico é de um dólar e um centavo de dólar abaixo do contrato de maio de 2004. Na linguagem de mercado você diria que a base é “1,01 abaixo de maio”. Por outro lado, se o preço físico estivesse $1.01 dólares mais alto que o contrato de maio, você diria que a base é de “1,01 acima de maio”.

Na verdade, você pode pensar da base como a “localização” de um preço futuro. O preço do mercado futuro representa o preço mundial para a soja e é usado como referência para determinar o valor da soja no mercado local. Visto que a base reflete as condições do mercado local, ela é diretamente influenciada por vários fatores incluindo:

·   Custos de transporte

·   Condições de oferta e demanda local, tais como a qualidade da soja, disponibilidade, necessidade do produto, clima local

·   Custos de armazenagem e financeiros

·   Custos de manuseio e margens de lucro

Visto que estes fatores variam de um local para outro, as bases também variam entre diferentes praças de comercialização. Um dos principais fatores que influenciam o número são os custos de transporte. Vendedores localizados mais longe das áreas onde a soja é usada ou exportada estão em desvantagem por causa dos custos para transportar o produto até o consumidor.

Um outro componente importante da base é a oferta e demanda do mercado físico local. Quando há falta de soja na área de comercialização, o preço físico local aumenta em relação ao preço futuro. Em outras palavras, a diferença entre o preço físico local e o preço futuro torna-se menos negativa (ou mais positiva). Este tipo de movimentação nos valores da base é referido como fortalecimento da base. O fortalecimento da base favorece o produtor da soja. Aqui devemos ressaltar que o fortalecimento da base refere-se à relação de preço entre o mercado físico local e o mercado futuro — tal variação não se refere à direção dos preços.

O oposto também é verdade. Quando a demanda local é baixa ou uma grande oferta da commodity é esperada na região, o preço físico local diminui em relação ao preço futuro. Neste cenário, a diferença entre o preço físico local e o preço futuro torna-se mais negativa (ou menos positiva). Este tipo de movimentação é referido como enfraquecimento da base. O enfraquecimento da base favorece os compradores da soja, como acontece, por exemplo, na época da safra. Ressaltamos também que o enfraquecimento da base refere-se à relação entre o mercado físico e o mercado futuro — ela não se refere a uma mudança na direção dos preços da soja.

 

Bases Históricas

 

Muito embora os preços variem muito de ano a ano, a base não varia dramaticamente e, em geral, pode ser prevista através de padrões históricos. Por isso precisamos das bases históricas, que são as médias diárias ou semanais, preferencialmente, dos últimos cinco ou dez anos. Ante a grande dificuldade de se obter tais dados referenciados nos preços praticados em Palotina, utilizaremos em nossos estudos as bases históricas calculadas pela diferença entre os preços do Índice de Preço de Soja ESALQ/BM&F e os preços praticados na Bolsa de Chicago. O Índice de Preço de Soja ESALQ/BM&F é uma média ponderada dos preços praticados no estado do Paraná, publicada diariamente pela Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", da Universidade de São Paulo – USP.

 

Usando a Base na Prática

 

Cinco características da base são levadas em consideração ao se decidir o melhor momento de comercializar a soja ou estabelecer uma proteção de preço:

1. A base tende a ter um padrão histórico constante.

2. A base fornece uma boa referência para avaliação dos preços atuais.

3. A base, em geral, enfraquece na época da safra.

4. A base tende a se fortalecer na entressafra.

5. A base tende a se manter constante, mesmo enquanto os preços flutuam.

Visto que há uma certa dose de “previsibilidade” da base, nós a utilizaremos para tomada de decisões no estabelecimento de um piso mínimo de venda, em dólares, através das opções sobre contratos futuros, negociadas na Bolsa de Chicago ou nela referenciadas.